Surpreendente caso de gagueira causada por estreptococos

Posted on dezembro 8, 2010

3


Quadros infecciosos causados por estreptococos β-hemolíticos podem levar à gagueira por meio do mesmo mecanismo de agressão autoimune verificado em distúrbios neuropsiquiátricos do tipo PANDAS.

O médico neuropsiquiatra Dr. Gerald Maguire, conhecido estudioso da gagueira, publicou recentemente junto com outros pesquisadores um relato de caso bastante surpreendente, que apresenta uma possibilidade etiológica para a gagueira ainda muito pouco documentada e estudada.

O caso relatado mostra que a gagueira, além de sua já comprovada origem genética, também pode surgir numa criança como um sintoma associado a um distúrbio autoimune do tipo PANDAS. O termo PANDAS é o acrônimo em inglês para Pediatric Autoimmune Neuropsychiatric Disorders Associated with Streptococcal infections.

O termo se refere a um conjunto de distúrbios neurológicos que podem ser deflagrados por falhas na reação imunológica a infecções causadas por estreptococos beta-hemolíticos do grupo A (o mesmo tipo de bactéria responsável por infecções de garganta e pela escarlatina). Estas falhas levam o sistema imunológico a atacar células do próprio corpo, entre elas neurônios dos núcleos da base, trazendo complicações que envolvem sintomas do espectro obsessivo-compulsivo e transtornos de tiques.

A gagueira até então não fazia parte da lista oficial de possíveis distúrbios desencadeados por meio deste processo, mas este relato mostra que sua inclusão deve ser recomendada.

O caso aqui descrito foi publicado no compêndio anual da Academia Americana de Psiquiatria Clínica (ANNALS OF CLINICAL PSYCHIATRY 2010;22(4):283–284). Leia abaixo seu resumo:

Gagueira associada à infecção estreptocócica: relato de caso sugerindo que o distúrbio pode surgir como sintoma de uma desordem autoimune do tipo PANDAS*

Gerald A. Maguire, Steven N. Viele, Sanjay Agarwal, Elliot Handler, David Franklin

ANNALS OF CLINICAL PSYCHIATRY 2010;22(4):283–284

Relato de caso
Relatamos aqui o caso de um garoto de 6 anos com súbita manifestação de gagueira aproximadamente 1 mês depois de infecção estreptocócica confirmada por exames laboratoriais. O paciente não possuía nenhum histórico familiar conhecido de gagueira. Seis meses antes de procurar atendimento fonoaudiológico para gagueira, o paciente apresentou-se ao pediatra com queixa de inflamação na garganta, febre e mal-estar generalizado. Na ocasião, um teste rápido para antígeno estreptocócico foi realizado e o resultado foi positivo (teste Genzyme Strept A OSOM). Optando por evitar medicações, os pais da criança recusaram o tratamento com antibióticos. Um mês depois, o paciente desenvolveu gagueira aguda, caracterizada por repetições de sons e sílabas e bloqueios silenciosos da fala. Três meses mais tarde, a criança desenvolveu comportamentos típicos do esforço para falar provocado pela gagueira – contorções da face e movimentos com a cabeça nos momentos em que a dificuldade se manifestava. Cinco meses e meio depois do diagnóstico inicial de infecção estreptocócica, o paciente continuava a ter resultado positivo no teste para antígeno estreptocócico, apresentando um valor de antiestreptolisina O de 400 UI/mL (valor de referência p/ a idade: <200 UI/mL) e um valor de antidesoxirribonuclease B (anti-DNase B) de 387 U/mL (valor de referência: 0 a 70 U/mL). Ele então começou a tomar uma associação de amoxicilina e ácido clavulânico, 800 mg/dia durante 10 dias. No intervalo de duas semanas, os sintomas da gagueira se resolveram. Cultura estreptocócica da garganta após a administração dos antibióticos deu resultado negativo. O paciente continuava livre dos sintomas da gagueira no tempo em que este relato foi feito (seis meses depois da resolução do quadro).

*Nota do tradutor: O termo PANDAS é o acrônimo em inglês para Pediatric Autoimmune Neuropsychiatric Disorders Associated with Streptococcal infections (Distúrbios Neuropsiquiátricos Autoimunes da Infância Associados à Infecção por Estreptococos).

Bibliografia:
Stuttering onset associated with streptococcal infection: A case suggesting stuttering as PANDAS
Gerald A. Maguire, Steven N. Viele, Sanjay Agarwal, Elliot Handler, David Franklin
ANNALS OF CLINICAL PSYCHIATRY 2010;22(4):283–284.

Endereço para correspondência:
Gerald A. Maguire, MD, University of California, Irvine Medical Center, Department of Psychiatry, 101 The City Drive, Orange, CA 92868 USA. E-mail: gamaguir@uci.edu

Link para ler o artigo original em tela cheia
Link para fazer o download do artigo original

Posts relacionados:
Pássaros canoros lançam luz sobre biologia da gagueira
Pesquisa genética revela face desconhecida da gagueira
Relato de caso pioneiro escrito por um pediatra em 1981
Exame permite diagnosticar gagueira causada por falha metabólica
Dr. Gerald Maguire lança seu aguardado livro
Dr. Gerald Maguire: uma raridade dentro da medicina