A gagueira é tão séria quanto a dislexia e o TDAH

Posted on novembro 20, 2013

0


Gagueira é tão séria quanto dislexia e TDAH

Movido pela memória de seu pai, que tinha gagueira severa, o ator britânico Michael Palin, integrante do lendário grupo Monty Python, lança campanha educativa nas escolas da Inglaterra a fim de que crianças com gagueira possam receber o mais rápido possível a ajuda de que tanto necessitam.

Astro do Monty Python lança programa para reduzir desconhecimento de professores em relação à gagueira

Por Bethany King

Você tem um aluno com gagueira em sua classe? Embora muitos professores pensem que não têm, uma em cada 80 crianças tem dificuldades de fala e comunicação.

Assim como já vem ocorrendo com a dislexia e o TDAH (condições que estão inclusive suscitando a criação de leis específicas para melhorar sua identificação precoce nas escolas), a gagueira, por força de sua prevalência (e também de sua significativa consequência), está finalmente começando a ser vista de forma menos negligente no ambiente escolar — pelo menos na Inglaterra. Esta é a perspectiva trazida pelo lançamento do programa educacional britânico “Wait, Wait, I’ve not finished yet” (“Espere, espere, ainda não acabei…”)*:

O objetivo do programa é oferecer a crianças com gagueira um apoio especializado semelhante ao que já é dado a crianças com dislexia e TDAH nas escolas britânicas, bem como capacitar professores para identificar e auxiliar alunos com distúrbios da comunicação oral.

O programa foi lançado pelo ator, escritor e comediante inglês Michael Palin (mais conhecido por ser um dos integrantes do famoso grupo Monty Python) e pelo secretário de educação britânico, Ed Balls. A reportagem também contou com a participação de Cherry Hughes (diretora educacional da British Stammering Association – Associação Britância de Gagueira).

Durante o lançamento, Michael Palin falou sobre sua experiência pessoal com a gagueira na família (seu pai era gago) e sobre a importância de oferecer ajuda especializada a crianças que gaguejam. Seu ativismo em favor de pessoas com dificuldades de comunicação teve início logo depois de seu papel no filme “Um Peixe Chamado Wanda”, de 1988, em que ele interpretou um personagem com gagueira severa.

Ed Balls também falou sobre sua experiência pessoal com a gagueira e sobre as enormes dificuldades enfrentadas por essas crianças, entre elas o bullying. Na ocasião, ele manifestou o desejo do governo de ampliar ainda mais a ajuda para estudantes com dificuldades de comunicação.

Dado o enorme impacto que a gagueira pode ter sobre a qualidade de vida de uma pessoa, bem como a absoluta falta de conhecimento que a maioria da população ainda tem sobre o que é a gagueira persistente e qual a melhor forma de lidar com ela, o exemplo britânico deveria servir de estímulo para que outros países começassem a incluir a gagueira entre os distúrbios do neurodesenvolvimento que precisam muito de identificação precoce, tal como o autismo, a dislexia ou o TDAH – afinal, assim como ocorre com todos eles, a janela ideal de intervenção na gagueira tende a ser estreita.

*”Wait, Wait, I’ve not finished yet” (“Espere, espere, ainda não acabei…”) é o nome do programa de informação sobre gagueira que está sendo desenvolvido pelo Michael Palin Centre e também do DVD lançado pela instituição.

Posts relacionados:
“Nunca consegui falar sobre a gagueira do meu pai com ele”, diz o ator inglês Michael Palin
Texto sobre gagueira e bullying dá prêmio a estudante com TDAH
Aluno com gagueira é alvo da intolerância de professora
“O Discurso do Pai da Noiva”: reportagem completa da BBC
Publicidade criativa a favor das pessoas que gaguejam
Seis textos essenciais para entender a gagueira
Alunos com gagueira são prejudicados nas escolas
Anvisa discrimina gagueira e sobretaxa o speecheasy
Leia a sinopse da obra “Ensaio sobre a Gagueira”